Mas sempre são rosas...

Mas sempre são rosas...

Bem vindo ao blog...

se você está aqui é porque gostamos de ler, e você assim como eu, curte blogs. Se gostou deixe um comentário, críticas construtivas também serão bem vindas! A ideia é fazer da leitura um momento agradável. Colabore.



sábado, 31 de dezembro de 2011

Último dia do ano...

hora de pensar em tudo que fizemos de bom em 2011, tudo que não queremos repetir, o que aprendemos, o que esquecemos de fazer, juntar tudo no mesmo pote (caldeirão) e aproveitar em 2012. 
Esse ano passou muito rápido, outro dia mesmo eu estava aqui contando os minutos pra meia noite, com alguns amigos, fazendo o réveillon virtual. E num piscar de olhos ele termina. 
Aprendi esse ano que posso mais que pensei poder durante muito tempo, descobri que depois de vinte anos longe da escola eu ainda guardava muita coisa na cabeça. 
Sofri com algumas ingratidões como sempre... Mas parei e descobri que as pessoas são na maioria iguais, e eu espero demais delas. Não posso exigir que me devolvam tudo que dou, se eu acho que não recebo o que mereço, preciso me doar menos... 
Mas fazer o que, sou assim. Sei que sou grudenta, cansativa, repetitiva... Mas tenho defeitos como todo mundo, não vou mudar tão cedo. 
Preciso aprender a valorizar os que me são caros, os que dependem de mim. 
Cansei de bater numa muralha, cansei de pedir o que sei que não vou ter. 
Então agora peço paz, saúde e entendimento...
Que 2012 venha recheado de paz pra todos. 
Que os que eu amo de verdade, e que me amam fiquem sempre perto de mim. 
Que eu seja feliz sempre, todos os dias... 
É o que eu desejo pra você também.
Feliz 2012.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011


Me confunde, me excita... 
Me deixa no meio de um conflito emocional...
Vontade de voar no seu céu...
Aterrissar no teu corpo...
Sugar o seu gosto...
Sentir o seu peito no meu, seu coração batendo no mesmo compasso...
Alto e forte... Acelerando e eternizando suas batidas em mim...
Seus lábios deslizando no meu corpo, queimando cada pedaço como fogo, deixando um rastro de saliva quente.
As mãos tocando cada parte do meu ser, me deixando viva e morta ao mesmo tempo.
Sensação de querer chegar e querer demorar pra sempre. 

Derrubando mitos, arrastando o mundo consigo em míseros sete minutos, ele chega...
É esperado, desejado... Me faz renascer como a fênix. 
Me despeço do mundo irreal multicolorido que entrei, e acordo nos seus braços...
Sinto que te amo bem mais do que te amava. 
Afinal atravessamos o tempo em alguns segundos de orgasmo.


domingo, 13 de novembro de 2011

Quantas vezes!

Quantas vezes dormi pensando em ti, e pela manhã quando o sol nascia eu acordava e sentia o meu amor ainda maior... 
Quantas vezes no meu próprio sonho eu te via partir e chorava... Sentia o seu gosto e gritava que o mundo era perfeito com você.
Quantas vezes te vi partir, mas a esperança da volta me acalmava... As lágrimas, velhas companheiras minhas inundavam meu rosto, mas eu sabia que voltaria a sorrir em breve. 
Quantas vezes meu peito ficou apertado porque sabia que algo não ia bem, sentia a sua dor, sentia o seu choro, quantas vezes quis seguir os fios telefônicos e entrar em você...
Quantas vezes pensei em largar tudo e partir, porque o seu sorriso era minha eterna morada...
Quantas vezes pensei em viver numa montanha só com você e o barulho dos pássaros, isso só me bastava...
Quantas vezes te falei do meu amor sorrindo, mas por dentro tudo chorava, porque era impossível...
Quantas vezes fiz e refiz o caminho que me levou à você, tentando imaginar em qual atalho deveria ter entrado pra não entrar na sua vida. 
Quantas vezes morri e nasci novamente sentindo você dentro de mim...
Quantas vezes te esperei em vão, quantas vezes você veio e voltou...
Quantas, quantas e quantas????


Lágrimas rolam e secam... Horas voam... Não tem você... 


terça-feira, 1 de novembro de 2011

Olha o preconceito aí gente...

Ontem fazendo minha caminhada de sempre (aquela que não me faz perder peso), eu vi um senhor olhando pro alto, a princípio eu pensei que fosse um mendigo. A roupa bem surrada, um saco na mão... Por mais que a gente não queria dizer, todo mundo tem um preconceito guardadinho né? Exemplo: está dentro de um ônibus entra um rapaz com bermuda caindo, boné e você já segura a bolsa perto do seu corpo.
Pois bem, o senhor olhava pro alto, eu olhei na mesma direção e ele disse: - Tem uma arara vermelha no alto do eucalipto! Eu olhei e vi, pra mim araras são de uma beleza ímpar, amo as araras. Lá estava ela, se debatendo, tentando voar, eu não sei bem, a árvore é muito velha e alta... Fiquei de ligar pro Ibama, para ver o que poderia ser feito.
Recomecei o meu trajeto e ele ia pro mesmo lado, fomos conversando.  Eu que a principio achei que ele fosse um mendigo descobri que ele era um senhor  muito inteligente, dono de uma bela história de vida. Ele contou em 15 minutos tanta coisa sobre história, sobre a vida... Tem uma visão tão boa sobre ecologia, sobre religião... Sim, foram só 15 minutos pra descobri tudo isso. Com certeza se não fosse a arara vermelha - que com certeza é vítima de algum criador clandestino, e conseguiu fugir- eu passaria por ele achando que era um sem-teto, se ele olhasse pra mim com toda certeza eu desviaria o olhar e apertaria o passo, achando que ele me pediria algo. Pois é, ele não é um perdido no mundo e ele não me pediu nada, ele me deu... Me ensinou várias coisas da vida em pouquíssimos minutos e me mostrou que preconceito é feio... Logo eu que vivo falando dos outros... 


segunda-feira, 31 de outubro de 2011

A lua cheia com seu brilho intenso, iluminando os campos de trigo.
Duas pessoas no meio de um aro de luz intensa, que apesar da intensidade não iluminava nada ao redor.
Corpos nus e abraçados, viajando no espaço e no tempo, para uma dimensão longe da nossa.
Viajando e revivendo outras vidas, outras civilizações. 
Numa pirâmide egípcia um senhor lhes fala da vida.
Num planeta distante, eles observam a construção de uma nave-mãe.
Recuando no tempo perguntas foram respondidas, lembranças apagadas por várias vidas, vieram a tona.
No círculo de luz, o jovem casal emite sons e luzes. 
O cântico de uma fênix foi entoado, perfeito, vibrante. 
Mãos entrelaçadas, corpos suados, revelando uma intimidade apagada com o tempo...
O ponto de luz no ombro esquerdo revelando a outra parte...


Baseado no livro "Brida" Paulo Coelho.



quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Projeto seu corpo em minha memória, como se eu estivesse do seu lado...
Nada foge da minha mente, seus olhos dardejantes, seu sorriso cristalino, 
suas curvas que estonteiam, a curva macia do seio na gola da camisa.
Os cabelos esvoaçantes, aceitando o vento na cara, o peito aberto pra vida.
Os sinais da idade chegam cada vez mais rápido, ao mesmo tempo em que você se afasta.
Já tarde da noite me despeço e deito, olho para o lado e você não está aqui.
Sinto falta do contato macio, do desejo estampado no rosto, das mãos em concha sobre meus seios.
Um eu te amo vadio, um gemido solto na noite, um vazio depois...
Sombras na parede projetam  seu corpo nu na janela recortado pela a luz da lua. 
Realidade misturada a desejos irreais, tormenta e calmaria numa noite tórrida de paixão. 



domingo, 9 de outubro de 2011

Amizade...

O tempo senhor de tudo, passou correndo...
As experiências nos mostram o caminho certo a seguir.
Todos acabamos encontrando o nosso um dia.
E nessa nossa caminhada diária, podemos encontrar um amigo, um amor, uma sorte, a felicidade.
Podemos encontrar tudo isso numa pessoa só, ou em várias separadas pelo tempo, pelas encarnações.
Nossos elos, nossas linhas... 
Carinho, ternura isso não tem preço, e quando entregamos pra alguém sentimentos tão profundos, normalmente é verdadeiro.
Não tenho milhões de amigos sinceros, aqueles que não passam, não duram só um mês, uns meses, esses são poucos, ainda bem.
Aqueles "eu te amo" que a gente ouve toda hora, mas que não vem do fundo do coração e sim de carência afetiva- esses já tive aos montes- mas depois de um tempo eles se vão, nem lembram que você existe. 
As vezes magoa (quando você também correspondeu), as vezes você também não lembra deles, porque não faziam diferença.
Mas o melhor amigo é pra sempre. Mesmo se estiver afastado, mesmo se ficar dias e dias sem se falar. O elo permanece. 


sábado, 8 de outubro de 2011

Rock in Rio parte II

Ingressos na mão, contando os dias... Eis que ele chegou... Saí cedinho de casa, pra garantir um bom lugar, e também não sabia como funcionaria o esquema de trânsito e tal... Cheguei lá antes das 14 horas, mas a fila estava enorme, todo o percurso até a Cidade do Rock desde o ponto onde os ônibus nos deixavam. Dia 23, um sol escaldante abriu, 1 quilômetro e meio até a entrada, e eu ali sozinha... Fiz algumas "amizades" na fila, um pessoal de Goiânia, e umas meninas de Niterói... Lá dentro foi o sonho que eu imaginei, não dá pra explicar o que você sente quando vê o Palco Mundo pela primeira vez, ali ao vivo... Eu queria ver tudo ao mesmo tempo, fotografar, ligar para os amigos, e assistir aos shows, tudo ao mesmo tempo.
Os shows no Palco Sunset começavam as 14:40, perdi o show da Mariana Aydar, esse foi o único que não deu pra assistir nos dois dias que participei da festa.
Todos foram perfeitos, Ed Motta, Sandra de Sá e Bebel Gilberto, Africa Bambata, Paula Lima, Joss Stone (que merecia o palco mundo), Baile do Simonal, Diogo Nogueira e até a participação especial e inesperada da Maria Rita...
Tudo perfeito...
No dia 23 eu só queria ver o Elton John era um sonho de adolescência, sonhava em ouvir as canções ao vivo, principalmente uma "I guess that's why they call it the blues" essa eu queria muito, mas não imaginei que ele fosse cantar... E ele cantou... Delírio geral. Realizar sonhos é muito bom, melhor que sonhar.
No dia 29 o show mais esperado pro mim era Stevie Wonder, mas me decepcionei um pouco, o show foi morno... Bonito, mas morno.
Enfim, ter o prazer de participar de um evento desse tamanho, onde pessoas de todos os países vem pra cá. É muito bom, estar ali no meio de 100 mil pessoas, ser um deles... Não tem preço.
Que venha o Rock in Rio V... Estarei lá, Eu Vou...






sábado, 1 de outubro de 2011

Rock in Rio, eu vivi todas as emoções. I Parte

A vida tem várias facetas, passamos por momentos alegres e momentos tristes...
O mês de setembro veio recheado de coisas boas... Niver do filhote, show da Ana Carolina, e o tão aguardado Rock in Rio IV.
Eu vi todas as edições, não pude ir à todas, mas curti muito... A primeira edição em 1985, foi o que na época se chamava de "o show", vários artistas internacionais e nacionais prometendo dias de sonho e paz.
O local era a cidade do rock, lógico que não tinha nem metade da infra estrutura de hoje, mas pra época foi um acontecimento. A programação foi perfeita, grandes nomes passaram pelo palco de proporções imensas. E eu com 14 anos a caminho dos 15, fiquei em casa, porque minha mãe não permitia nem que eu fosse no portão, que dirá naquele lugar cheio de "doenças" e "pecados".
A segunda edição foi 6 anos depois em 1991, o lugar escolhido foi o até então "maior estádio do mundo". Eu já com quase 21 anos, trabalhando... Fuiiiii.  Foi a primeira vez que entrei no maracanã, era imenso... O palco foi montado no lado direito das cabines de rádio e a galera podia escolher entre pista e arquibancada. Eu fui no dia pop, assisti um show inesquecível do A-Ha, banda norueguesa que fazia muito sucesso na época. RPM com o Paulo Ricardo incendiou a galera com "Loira Gelada" e "Olhar 43" Debbie Gibson com seu piano e voz, emocionou a todos num maraca todo escuro só com isqueiros acessos ao som de "In your eyes" ...  Era um sábado, fez um sol incrível, eu estava mega dura, e não levei nada pra comer, achando que pagaria mico com bolsa na mão. tsc tsc Todo mundo com mochila... Lembro que na madrugada caiu uma chuvinha fina, eu morri de frio... Mas sabe a sensação de "Valeuuuu"? Pois é... A terceira edição foi 10 anos depois em 2001, meu filho tinha 4 meses... Não tive coragem de ir e deixa-lo com alguém... Perdi um show que adoraria ver, James Taylor. Nós dois estamos sempre nos desencontrando. rs rs Ele veio em 85 e 2001, e eu fui em 91 e 2011.
Pois é chegamos em 2011, esse eu esperei bastante, desde o ano passado quando começaram a vender os rock in rio card's que eu conto os dias. Preferi esperar os organizadores anunciarem as bandas para comprar meu ingresso... Quando soube que Sir Elton John estaria lá, não pensei duas vezes. Porém no dia 07 de maio quando começaram as vendas eu fui dormir cedinho, quando acordei já não tinha mais ingresso pro primeiro dia- que era o que eu mais queria- fui correndo pedir socorro pra uma amiga, que ficou mais de 15 horas na fila e comprou o meu ingresso... Feliz da vida e sossegada, garantida no evento, passei a contar os dias nos perfis de redes sociais, cheguei a ficar enjoada, mas não parei... Quando em julho anunciaram um dia extra com o sensacional Stevie Wonder, eu quis ir também... As vendas duraram mais tempo, mesmo assim pra garantir comprei o meu logo no primeiro minuto do dia 23 de Julho. Assim passei a esperar por dois dias de evento, e sobre isso eu vou postar depois, senão o texto fica muito longo. 

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Tudo

Cansei de metades, cansei de meias verdades, quero tudo inteiro...
Quero tudo para mim, um mundo completo! Completo de realizações, desejos...
Pois já que é pra me fazer feliz, que me transborde alegria.
Pois se é pra me fazer gozar, que me encha de tesão.
Quero sol de 40 graus, quero neve no inverno... Não quero sombra.
Quero chopp estupidamente gelado, quero café bem quente... Nada morno...
Não quero meio amigo, aquele que só lembra de você porque precisa de colo, de abrigo, de palavras de estímulo... Eu quero dar tudo isso, mas sempre, todo dia, e quero receber também... Não só na hora que ele estiver disponível, mas na hora que eu precisar... Porque é isso que eu faço... 
Não quero ouvir mentiras, nem meias verdades, porque vou me aborrecer inteira...
Se tiver que aceitar fracassos, que venham também... Vou tentar tirar o melhor dele... Aprender tudo...
Quero a verdade, seja ela qual for, mesmo que eu fiquei meio aborrecida. 
Mas é a verdade! 
Quero sorrisos sinceros e enormes... 
Agora se for pra me matar, me mata de alegria... 
Se for pra me fazer chorar, me afoga na tristeza... Porque não quero viver em pedacinhos, em metadinhas. 
Quero tudo inteirinho... 




Com frases de minha amiga Veluma Nunes. 

sábado, 17 de setembro de 2011

Medidas...


Querendo ser inteiro e se tornando um meio... Meio de vida sem o ser amado.
Meio de vida desmedido.
Um meio de tecer o destino que escorre entre os dedos, por mais que você tente segura-lo.
Um meio de tentar reverter a situação. Um meio de sobreviver...
De tanto querer ser inteiro e viver pela metade, um dia você descobre que não é nem um terço do que queria ser. Você descobre que vive uma vida que não escolheu.
Que para ser feliz você precisa de um quarto de sensações desconhecidas, um meio de sobreviver sem dor, e um quinto de sabedoria pra saber lidar com isso.
Para não ser feliz pela metade, pra ter você por inteiro, eu me dividi tanto que não me junto mais, não tenho mais  porcões de mim... Vez ou outra eu cato pedaços que encontro no caminho mas não consigo colar pra formar um inteiro.
E a vida segue quase inteira, os dias são fracões de minutos, segundos... 
Contar e esperar para que se forme o inteiro com pequenos meios... 
Ser meio e se reinventar inteiro.




É o povo brasileiro...

Engolindo sapos, empurrando com a barriga, lá vai o povo brasileiro atras de um prato de comida.
Aos tropeços e tapas disputando na marra algo que possa comprar com seu parco dinheiro.
Ele consegue levar pra casa umas poucas e minguadas latas enferrujadas. 
Dentro da casa de dois cômodos, totalmente cheia, bocas famintas esperam, olhos esperançosos o seguem...
Deixa tudo na mesa, e vai chorar num canto escuro, longe de todos... 
Uma mãozinha vem puxa-lo pra dividir o pouco... Ele chora mais ainda, 
mas vê ali uma esperança, tem coisa boa dentro do peito dos seus.
Mais tarde todos dormem e ele não...  Pensa no que fará quando levantar pra poder repetir a façanha diária de sustentar os que dependem dele. 
Lembra dos longos anos de trabalho e pensa que a vida não foi justa com ele. 
O que é justiça nesse país, afinal de contas? 
Quando o sol nasce ele fecha o casaco puído, bate a porta da cozinha e vai... 
A solidão o acompanha, a tristeza também... Quem sabe quando volta? Quem sabe se vem?  

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Feitiço

Logo cedo, uma tortura... A noite chega, e ela vem novamente.
Tão segura de si, achando que vai me dominar...
Chega de mansinho, as vezes vem rápida, tentando me afrontar.
Mas sempre trazendo consigo o passado, sempre traiçoeiro, sempre limitando-me.
Não permitindo que eu ande para frente...
Ela me quer por perto, ela me prende as pernas, ela me fala no ouvido palavras que eu queria muito esquecer.
Ela me toma de assalto, me preenche e me completa. Me inferniza a vida, me joga no meio de um redemoinho, me deixa tonta, com medo, sem jeito... À deriva.
Ela me faz comer na sua mão, me derrete até o pensamento, me esquenta no inverno, e me maltrata aos quatro ventos.
Me perco no seu corpo, deslizo por suas curvas e gravo seu nome em mim... 
A ferro e fogo, com brasa ardente, por dentro e por fora, ela em mim vai se eternizando.
Não esqueço nada, nenhum detalhe, nem o cheiro, nem o sabor, nem seu toque, o som do meu nome na sua boca, o som da respiração no quarto vazio... 
A boca sedenta, o sorriso vibrante, o calor que me choca e consome...
Abusada, fugaz, astuta, mistura de louca e santa, de anjo e bruxa... De adulta e criança...
Preciosa e vil... Princesa e plebeia, pra sempre e sempre. 

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Dia do sexo!


Eternizando os momentos, calculando com precisão onde fica o coração, conseguimos entrar no ser amado...
Mudando o rumo, transformando sonhos, brincando com os sentidos, facilitando necessidades, vivendo aventuras, pensando só no hoje, esquecendo os erros do passado. Você consegue isso? Então viva intensamente, o momento é seu!!!
O dia promete, o desejo é latente, a entrega é verdadeira, corpos se atraem, vidas se buscam, sussurros na escuridão, murmurando seu nome...
Pôr do sol, barulho de ondas, balanço da rede. Entrega, pernas e seios, unidos pra sempre. Envoltos na tortura de se amar, na busca louca e desenfreada do sentir. E ele chega, você sente de longe, é um sinal... E vai ficando forte, e mais forte... E você não quer e quer... E você força a barra pra chegar e segura... Mas quando não consegue mais segurar, ele chega e se espalha em todo o seu ser... Ele traga você para um redemoinho de emoções, você se sente tragado por forças desconhecidas, e se entrega mais e mais...
Demorando para passar, indo embora aos poucos, querendo e não querendo mais...
A entrega não é passageira, ela é eternizada nos corações, pra sempre.
Mesmo que passe milhares de pessoas por você.

domingo, 4 de setembro de 2011

Meu filhote...

No dia 4 de setembro de 2000, ele entrou na minha vida, não vai sair nunca mais.
Não sei como vai ser o nosso destino, isso não me compete.
Nenhum pai quer ver seu filho partir, mas tenho plena convicção que nessa vida chegamos e partimos no dia marcado, todos temos um...
Então eu posso partir primeiro, ou ele... Isso não vai tira-lo de mim, estamos ligados para sempre por uma força invisível, uma linha tênue me une a ele...
Somos parecidos fisicamente, mas nossas semelhanças terminam aí... Por isso nos completamos e nos amamos demais... Ele é o meu filho. Aquele que está comigo há 11 anos e assim será pra sempre. Amo demais.


sábado, 3 de setembro de 2011

É amor sim!!!

Quando o sentimento é tão intenso que transborda, 
quando o dia fica frio e cinza, só porque ela não vem.
Quando o tempo não corre, fica ali estagnado...
Quando o vento traz o cheiro dela de longe, 
quando penso ter ouvido seus passos no corredor...
Quando ouço sua voz na rua, e olho desesperada para trás...
Quando ouço a risada dela no telefone, e a vontade de atravessar o fio é forte.
Quando o meu coração dispara, na hora que a janelinha abre e eu vejo sua letra forte.
Quando choro horas a fio lembrando o passado tão presente, quando choro de rir das suas piadas.
Quando me irrito com ela, quando implico com ela...
Em todas essas ocasiões eu sei o que é, eu sei sim, mas tenho medo...
Eu sei o que é, eu sei que é forte como o aço, eu sei que corta como a navalha...
Eu rejeito e me desespero pedindo pra sumir, pra parar de sentir, mas é mais forte que eu...
Quando imagino seu corpo encostado no meu, quando lembro de seus lábios vermelhos, quando lembro de suas mãos em mim, e das minhas nela...
Em todos esses momentos, em todos eu sei; sei que amo demais!!!  

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Um dia...

Um dia qualquer me deixe mostrar o que eu sinto por você, mas me deixa mostrar de verdade, a minha verdade, não me venha com a sua verdade, porque não pensamos o mesmo. 
Nesse dia talvez eu consiga te colocar no meu lugar, você talvez entenda tudo o que eu passei. Talvez consiga compreender a rede intrincada que me meti... Vai ver que as coisas não eram do jeito que você pensou...
Talvez me compreenda...
Não posso aceitar as mentiras, as marcas ficam pra sempre. No fundo, bem lá no fundo eu sabia que não era verdade, mas fui fraca. Eu queria tanto que fosse real, que fingi que acreditava.
Depois que me perdi tentei achar um lugar, mas foi difícil. Aonde eu ia, você estava lá... Você ainda ocupa os espaços que eu tento preencher... É injusto demais. 

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

O orgasmo...

Um passo em falso, medo do anoitecer, sentir desfalecer...
Passos lentos, letra de uma canção em tom maior... Cai o véu...
Delírios e desejos se espalham pelo colchão.
Doces conversas que se vão... Emaranhado de lençóis.
Um deleite, um olhar vago na imensidão de um sorriso frouxo...
Lábios que tocam pernas, pernas que se cruzam nas costas firmes..  Sensações intensas, tragando a pessoa para um redemoinho, sentir desfalecer e nascer novamente.
Dedos firmes, mãos lentas... Pequenos e grandes lábios... Lábios doces, língua áspera e boca sedenta.
Movimentos simultâneos, firme e sempre... Num crescente, numa vertente...
Eu, ela... Ela e eu... Eu nela e ela em mim...
Sucessão de ais... Gemidos inaudíveis, gritos na escuridão...
Eternidade, perplexidade, razão...
Suor, boca, coração...
Intensidade, generosidade e doação...
Entrega, cinzas, fênix, revelação...
Único, secreto, ardente... entre dedos e lábios o viver e morrer, o sentir e o respirar...
Tragando fundo no ser, sugando a alma ao morrer...
Vivendo para receber.


sábado, 13 de agosto de 2011

O jardim...

Os dias passam, a neve se dissolve e deixa ver o que já foi um jardim de rosas...
O jardineiro pensa em replantar, será preciso revolver a terra, deixa-la bem fofa,
semear, regar todos os dias, até ver o jardim totalmente florido. 
Ele lembra como era lindo, as cores, os cheiros... Lembra que quando amanhecia era mais forte...
O vento levava o cheiro aonde quer que ele estivesse, era como se quisesse inebria-lo. 
Ele corria na direção e ficava ali no meio das rosas horas e horas, temendo que alguém viesse roubá-las, não gostava nem que olhassem para elas. Tinha ciúme demais, tratava as rosas com muito carinho, e elas retribuíam caladas, só com seus tons e cheiros. 
Um dia veio a tempestade, a chuva forte arrancou suas flores na raiz e jogou-as por todos os cantos, o vento contribuiu pra deixar os galhos nus. A neve veio e cobriu todo o campo, restou ao jardineiro o choro, o desespero. Ele mantinha todos afastados, mas contra a natureza o ciclo natural da vida, ele não conseguiu.
Ele passou meses e meses ali, prostrado, remoendo sentimentos ruins contra tudo e todos. Queria suas rosas de volta. 
Mas um dia acordou sabendo que a dor tinha que terminar. O medo de plantar, o medo de ver seu jardim florido novamente, e talvez perde-lo, esse medo tolo o transformou em um homem fraco.
Quantos de nós não estamos na mesma situação do jardineiro... Deixando a vida passar, por medo de sofrer novamente. Ter e perder é da vida, não podemos achar que seremos sempre vencedores. Temos que estar preparados para as derrotas. Temos que estar sempre prontos para recomeçar e vencer novamente.




sábado, 30 de julho de 2011

As paixões são difíceis de serem controladas, por isso são paixões.
Coisas imensas, que nos confundem, oprimem, controlam...
Prendem-nos em sua rede, apertam tanto o nosso peito, que fica impossível respirar.
As paixões ignoram limites, resistências, distâncias, nos mostram que somos fracos, que somos mundanos.
Mas não são eternas, e se não houver uma base forte, nada resta... Só fica uma marca ali no fundo, de tudo que foi, fica como se fosse um espinho, que quando você arranca, durante um tempo ainda o sente na sua carne. 
É assim que eu me sinto, com um espinho encravado no peito, sendo que ele não quer sair, ou sou eu que não consigo arrancá-lo. 

sábado, 23 de julho de 2011

Nossos laços...

Nós não escolhemos os nossos parentes, mas escolhemos os amigos.
Talvez por isso eu tenha uma ligação muito forte com os meus...
Ela surgiu na internet, tudo tão irreal, tão distante...
Mas ela faz parte da minha vida. Já discutimos, já brigamos, já chorei, já morri de rir. 
Ela é assim, tem o poder de me tirar do sério e de me alegrar os dias tristes. Ela é inesquecível.
Um laço tão forte me une a ela, tão forte o carinho que sinto por ela. 
Já falei aqui que depois dela só tem duas pessoas que amo mais. 
Eu tenho afinidade, confiança e cumplicidade com ela. 
É tão intenso, que me assusta e me faz feliz. 
São coisas que não tem explicação. Talvez estejamos ligadas a muitos séculos, outras vidas, outras histórias...
O que eu sei Laura, é que te desejo paz, saúde... Desejo ver você formada, com uma carreira brilhante, da mesma forma que quero ver os meus filhos. 
Deus te proteja, te cubra com seu manto, não deixe te faltar nada. 
E no inverno, primavera, verão ou outono, eu estarei sempre por aqui. É só chamar. 
Não sou sua mãe, mas guardo você aqui pra sempre comigo como se fosse.  
Mesmo que a distância, a pressa, o corre corre da vida nos afaste. Te amo muito. Feliz Aniversário!






















terça-feira, 19 de julho de 2011

Aparentes encontros e desencontros... A gente não sabe onde vai encontrar a felicidade.
Ela pode estar ali na curva da esquina... Ou um pouco mais longe...
Mas ela existe, podemos esperar anos e anos, mas ela existe e está nos espreitando.
Quando ela aparece, não falta muito para viver no paraíso, ele é aqui mesmo. 
Tudo tem cor, o sabor é diferente, as músicas são para você... 
E quando ela se vai, deixa um gosto amargo na boca, uma dor ruim no peito, parece que tem uma garra apertando, esmagando...
Já vivi todas as dores e sabores, mas isso não faz de mim uma pessoas diferente de você, que
está lendo agora e sofrendo também.
Sofrimento amoroso não nos deixa calejados, acostumados... Todos doem do mesmo jeito. 
E só um novo amor pode curar o antigo. Foi assim e ainda é... Vai ser para sempre. 
Ou encontramos a felicidade novamente ali na esquina próxima, ou nos atolamos na lama da amargura.
A opção é sua. Sua não, nossa. 





sábado, 16 de julho de 2011

Bom eu já comentei aqui várias vezes que eu sonho demais. Tenho sonhos de viajar, viajar pelo mundo todo.
Gostaria muito de conhecer outros povos, outras culturas...
A gastronomia italiana, a moda italiana, o futebol espanhol ao vivo...
E tenho um sonho dourado, são as pirâmides do Egito... Me imagino chegando no Cairo, naquela feira enorme, um monte de cores e cheiros no ar, pessoas com roupas diferentes, mulheres com véus.
Acho que seria minha primeira compra, um véu lindo, rosa claro com fios douradinhos, eu iria com ele pra todos os lados. Acho que a primeira vez que eu contemplar as piramides eu choro... Elas estão ali a séculos, são donas de segredos que nenhum homem ousou saber, estão ali no meio do deserto, senhor da vida e da morte...
Aqui no Brasil eu gostaria de conhecer vários lugares, Fortaleza, Salvador, Lençóis Maranhenses, Bonito, Gramado, Canela, enfim... Muita coisa... Mas sempre foi difícil pra mim, ainda não consegui viajar de avião, meu sonho tão sonhado.
O Rio de Janeiro é enorme e tem lugares lindos, imagina você leitor, eu não conheço nem 1/4 dele...
Búzios, Cabo Frio, Arraial do Cabo, são cidades da região dos lagos.
Paraty, Conceição do Jacareí, Angra, Ilha Grande, Mangaratiba são lugares aqui na Costa Verde.
Não conheço praticamente nada. E sonhando com o Egito... hammm
Hoje está fazendo quinze dias que eu realizei um desses sonhos, ele povoava minha mente a anos.
Uma praia... A praia... Praia das Conchas em Cabo Frio. Tive o prazer de ficar um  fim de semana lá, confesso que adoraria ficar uma semana, quinze dias... Mas agradeço o pequeno fim de semana. Do lado de pessoas especiais, num lugar pra lá de especial também.  Fui feliz por muitas horas, por muitos minutos e segundos. Daí fiquei pensando que de tanto querer, de tanta vontade de ir, eu me intimidei, não tirei nem metade das fotos que tiro por aqui mesmo, nas praias que estou acostumada a ir. Vai ficar pra próxima vez.
Sim, porque quando a gente sente o gostinho da estrada a gente não quer parar né?
Vê as fotos aí...







quarta-feira, 13 de julho de 2011

A idade nossa de cada dia...

Acabei de ler uma postagem num blog que me deixou pensativa, resolvi escrever também. 
Tem idade pra tudo? Tem idade pra roupas, pra assuntos, pra estudar, pra namorar? 
Tem idade pra ser feliz, pra jogar, pra acreditar no amor?
Ahh eu acho que não... 
Idade pra mim nunca foi problema, eu era pequena e já sabia "coisas de adulto", com o tempo fui crescendo e na adolescência eu era meio preconceituosa, ficava irada quando via senhoras de 30 anos rs rs rs usando roupas que eu usava, com enfeites no cabelo e outros acessórios da moda. 
Com o tempo eu também cheguei aos 30 e já estou dentro dos 40... Agora me pego usando um shortinho que minha vizinha de 19 usa também. 
Daí veio o medo de ficar ridícula, será que ela(a vizinha) me acha uma velha metida a garotinha? 
Lendo o post eu percebi que a autora quis mostrar que devemos ter apenas noção das coisas. Quando somos bem pequenininhas ninguém liga se sentamos com as perninhas abertas mas quando estamos com 5 anos já vem alguém dizer "feche as perninhas, você já não tem mais idade pra essas coisas." Grávida com 25 anos é tão linda, todo mundo faz elogios, mas com 40 os comentários são outros. Senhoras dançando funk! kkkkkkkk eu juro que vi isso semana passada e apesar de não achar bonito nem com as "novinhas" convenhamos, funk e a terceira idade não se misturam. 
Entre essas e outras meu pensamento vagou, fiquei super aborrecida com um caso que aconteceu semana passada envolvendo uma amiga. A filha dela de 22 anos se apaixonou por um "senhor" de 40 e foi embora de casa, minha amiga ficou revoltada e eu me juntei a ela. 
Depois pensando bem... Eu não tenho essa moral toda para fazer julgamentos. 
E o que é a idade quando somos tomados por uma paixão né? 
Queremos vestir roupas alegres, modernas, independente da idade. 
Queremos dançar e beber até o sol nascer, e se a idade não interferir. Qual o problema? 
Dá vontade de estudar, aprender coisas novas, ouvir outras músicas, ler outros livros...
Acho que todos nós temos direito de ser feliz né? 

Tem dias que eu acordo tão cansada e velha, não quero nada, não quero saber de nada.
E outros que eu acordo com a sensação de ter de volta minha adolescencia, vai ver acontece isso com todo mundo. 

O bom da vida é viver, idade é apenas um detalhe. 



Ela aproveitou muitooooo

sábado, 9 de julho de 2011

Aqui mais uma vez, pensando em falar sobre sentimentos contraditórios. 
E me vem uma bomba! A passagem da menina amazonense que motivou o twitter. Ana Luiza, a menininha linda e encantadora que até os 7 anos mal sabia o que era uma gripe. E dois meses depois de sua sétima festinha descobriu que tinha um câncer no cranio com metástase em várias partes do corpo. 
No carnaval eu estava aqui  lamentando a falta de dinheiro que me impediu de viajar quando vi tweets com a tag #forcaAnaLuiza; era uma campanha para a doação de sangue e plaquetas, a mesma precisava de 12 doadores e todos nós sabemos como é difícil isso principalmente no carnaval. Ela conseguiu mais de 200 doadores, eu particularmente gosto dessas mobilizações, gosto de ver o povo brasileiro torcendo por alguém que nem conhece, por que aí temos certeza que temos um povo cheio de boas intenções.
Vi o tweet da mãe de Ana, a Carol Varela e resolvi ler algumas postagens do seu blog o Vida Anormal, não consegui me levantar daqui. Fiquei horas lendo, li todas as postagens, e pude entender um pouco a dor dessa família, tudo tão perfeito, tudo estruturado, e do nada vem uma avalanche, que destrói sonhos e planos. 
A partir desse dia, passei a rezar por essa menina, tão nova, tão forte, tão guerreira. A cada vitória sua, eu me sentia vitoriosa também, a cada recaída eu me entristecia junto. Foram poucos meses, que me fizeram pensar mais na vida, me fizeram pensar em mim e nos meus filhos, me fizeram agradecer por acordar e dormir saudável, por ter que pagar o plano de saúde sem ter usado (coisa que muitas vezes eu reclamei). Que egoísmo, que ignorância!!! Como alguém pode reclamar de uma pintura na parede? Se sentir infeliz por causa da cor da casa? Tem gente querendo viver mais um dia, tem gente que não quer sentir dor. Só isso.
Penso que cada um tem os seus problemas, mas não é mesquinhez sofrer por coisas materiais?
Pois bem, fiquei dois dias doente e sem internet, e hoje voltei, entrei no twitter e vi a notícia que a doce menininha que encantou a todos nós com sua força e vontade de viver, tinha partido ontem a noite, faltando dois dias pra completar 8 aninhos. O primeiro sentimento que vem é o de revolta, não conseguia acreditar que ela tinha partido, não depois de tanta luta, torcida e dor. Tanto desespero não poderia ser em vão. 
Mas lendo os comentários, descobri que ela ajudou pessoas com a mesma doença a acreditar no milagre da cura, ela fez com que pessoas fossem ao médico fazer check up e descobrissem a doença a tempo de uma cura mais rápida, ela fez com que pessoas orassem, rezassem ou seja lá o que cada um faz quando pensa no seu Deus. Ela uniu várias religiões, foi graças a ela que todo mundo teve conhecimento da precariedade que é a saúde no estado do Amazonas, ela mostrou que Deus é bom e faz milagres, porque tudo que envolveu a sua vinda para São Paulo foi mágico. Ela nos mostrou a importância de um bom plano de saúde, (quando se pode pagar por ele né), ela mostrou que nos momentos de dores intensas é melhor vir tudo de uma vez, do que em doses homeopáticas. Ela foi forte, foi um ser do bem! Ficou aqui entre nós tão pouco tempo, eu nunca a vi, mas tenho tanto carinho por ela, por seus pais. 
Eu não sou de rezar, tenho bloqueio sempre penso que Deus não vai me ouvir porque faço(fiz) coisas não muito ortodoxas; então sempre peço pra alguém rezar por mim quando preciso. 
Mas eu rezei por ela sem medo, pedi pra dar força a seus pais, e que tirasse a dor dela... 
Ela mudou pessoas. Então o seu sacrifício não foi em vão. Vai viver sempre no coração de quem a conheceu e de quem acompanhou a sua história através da net. #forcaAnaLuiza 

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Novidade, é isso que todo mundo quer...

Novas oportunidades. Eis o que eu preciso! 
Coisas novas, com risco de ser feliz ou não.
Desde amores até estudos, inteligencia e tesão.
Tudo precisa de revisão e novidade.
Talvez eu esteja desprezando o meu pudim, como disse Martha Medeiros num texto excelente que acabei de ler. A gente deixa passar as melhores delícias por medo de engordar, os melhores beijos pra não parecer fácil, as melhores roupas pra não ficar vulgar, os melhores passeios pra não gastar economizando pra comprar não sei o que, e sem saber se vai ter tempo pra comprar né? Afinal quem de nós pode afirmar o dia da nossa partida eterna? E não vamos criar um tabu, por que esse dia vai chegar. 
Quero minha parte do pudim, quero saborear sem culpa, sem medo. 
Quero o vento, a luz brilhante no fim do túnel, quero atravessa-lo sem medo. 
Quero ter certeza do que vou encontrar no final. 
Mas preciso do fator surpresa! Não vivo sem ele...
Vou tentar me livrar das amarras que me prendem as normas, provar o doce e o salgado, o certo e o errado a hora que eu quiser. 
Quem sabe assim eu encontre o que tenho procurado por tanto tempo. 

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Quero tanto... e tão pouco.

Quero um tanto de atenção, um tanto de distância.
Um pouco de estimulo, um tanto enorme de afeição.
Um pouco de sonho, um tanto de realidade.
Música e silêncio.
Inferno e céu.
Notas músicais e notas de Real.
Morte e vida. Sexo e clausura.
Liberdade e libertinagem.
Homens perdidos no trânsito louco da cidade.
Mulheres que invadem a sede do governo e tomam seu assento.
Vento que se torna tempestade.
Vento que refresca o calor imenso, chuva fininha que traz o cheiro de terra
molhada.
Chuvarada que arrasta tudo e renova a terra, a vida...
Amigos que são eternos, amigos para uma rapidinha (conversa)
Quero sol forte, que deixa a pele bronzeada...
Quero o sol fraquinho que só quebra o frio do inverno.
Flores que enfeitam, e flores que matam.
Extremos. Muito e pouco. Nada e tudo. Princesa e plebeia.
Favela e realeza, tudo na mesma mesa (cama)
É, pode ser que eu não saiba bem o que eu quero realmente. Mas com certeza é uma coisa que me fará bem.
Porque desejo imensamente, acordar do lado dela.

domingo, 19 de junho de 2011

Quem de nós vai dizer que é impossível não se apaixonar novamente? 
Eu já disse um milhão de vezes... Claro que na maioria das vezes eu tive que engolir minhas palavras...
A paixão sempre prevalece. 
Enquanto dói, enquanto esmaga-nos com suas mãos de ferro, ficamos estagnados, como água parada, parece que só servimos pra criar limo.
Nessa hora achamos que para nós é o fim de tudo, fim da alegria, fim do bom humor, fim dos dias de sol, fim dos dias de chuvinha fina, filminho com edredom. 
Mas um dia nos sentimos mais forte, a dor não é tão intensa, já nos esquecemos da pessoa por longas horas, já não acordamos pensando, não dormimos pensando... Vai terminando, terminando... 
Não sentimos o peito apertado quando ela passa com outra pessoa. Conseguimos até sorrir, e não é sorriso falso não. 
E um dia qualquer, o sol nasce mais cedo atrás da montanha mais alta...
E seu coração quer transbordar novamente, ele bate mais forte novamente... Você dorme e acorda pensando naquela pessoa, você reza para chover só pra ficar em casa e ficar, e ficar... 
Olha só, você está apaixonada novamente... O mundo gira... 

sábado, 18 de junho de 2011

Sempre querendo mais...

Um dia eu me dei muito, e esperei ganhar o mesmo tanto de volta.
Levei muito tempo pensando que não era recíproco, mas um dia eu entendi
que não posso esperar demais... Que cada um tem o seu jeito de amar...
Vai ser sempre decepcionante querer receber o mesmo tanto de amor, com a mesma intensidade.
Quantas vezes chorei achando que não era amada, eu esperava o mesmo sufocamento, as mesmas palavras, o mesmo tipo de carinho, mas isso é impossível... Porque este é o MEU jeito de amar.
Cada um tem o seu, tenho que aprender a respeitar.
Mas eu queria tanto alguém que me amasse o tanto que eu amo.
Que me entendesse, que me completasse, da mesma forma que eu tento completar quem eu amo.
Queria tanto que fosse igual a mim. Aii que egoísmo né? Ou talvez não.
Quero alguém que se dê, do mesmo modo que eu me dou, com a mesma vontade, como se o mundo fosse acabar amanhã, e será que não vai acabar mesmo?
Quero todos os ventos e temporais de um amor intenso, quero pressa, correria, festa e mergulho na noite escura.
Quero luz, quero som, quero dormir, quero silêncio.
Quero paz e briga, calor e frio.
Quero tudo que houver nessa vida...

sábado, 11 de junho de 2011

É, dia dos namorados forever...

Dia dos Namorados tinha que ter lua cheia, sempre pensei assim.
E mesmo quando estava sozinha, eu queria ver a lua, passear em algum lugar romântico, essas coisas.
Depois quando eu já não era uma adolescente deslumbrada, eu comprava presentes, fazia cartões, e esperava ansiosamente pelo dia seguinte, pra poder comemorar. Por motivos óbvios.
É, eu sempre fui assim, perdida, inconsequente, cheia de amores escondidos, a espreita, na surdina.
E eu cresci,  provei coisas novas, e gostei. E eu acho que como disse o poeta "considero justa toda forma de amor"... 
Pra você eu escrevo quase tudo no meu blog, pra você que me faz feliz com um sorriso, com um boa noite, com um bom dia. 
Pra você que tem o sorriso mais lindo do mundo, que me enfeitiçou desde o primeiro dia em que te vi. Que me deu o prazer de sua companhia por um certo tempo, mas que foi nobre e terminou antes que nós pudéssemos sofrer mais ainda. 
Mas que com esse ato me matou um pouco. Tirou um pouco do brilho da minha vida, tirou um pouco do ar que eu respiro. 
Pra você desejo paz, sorte e toda felicidade do mundo. Não só hoje, mas todos os dias. 
Porque dia dos namorados é mais um daqueles dias, que usam pra fazer o comércio vender e o mundo girar mais rápido. 
Pra você que tem um amor, cuida dele! Mas antes de amar, veja as possibilidades, veja se não vai se magoar, ou magoar alguém. 
Amor sem uma base firme não vai adiante, tem que ser firmado na rocha mesmo. Assim já diziam as escrituras sagradas. 
Quando estiver ao seu lado, não esqueça de nada, perdi tempo demais em quase todos os meus relacionamentos, eu falo demais, reclamo, discuto muito... 
Aprendi que tem coisas na vida à dois que é melhor deixar passar, não é pra se anular, 
é pra aprender a ponderar. Simples assim.
Para todos que amam, mas não tem um par. Sigam firmes, se tiver que ser seu, ele vem, pode passar dias, meses, anos, mas ele vem. 
Vou contar uma história que aconteceu aqui bem pertinho de minha casa, ela ilustra muito bem o que acabei de falar. 
Uma moça foi noiva durante 8 anos, do nada o noivo terminou o noivado, ela se trancou em casa, era década de 60, uma noiva abandonada não era bem vista. 
Nunca mais amou ninguém, nem teve...
Ele pelo contrário, saiu de Niterói -lugar onde as famílias viviam- e foi pro interior de Minas Gerais, lá casou-se com uma mulher que foi o seu amor, durante anos. Se formou, teve filhos, netos... 
Ela continuou morando com a mãe e a irmã, sozinha, com um brilho distante em seus olhos, falava do passado e se emocionava. 
O tempo passou, a esposa do noivo fujão morreu. Ele sozinho, voltou pro Rj, exatamente pro mesmo lugar de onde saiu, ela continuava com seus parentes por lá também.  E numa visita, ela o reencontrou! Sentaram, conversaram, almoçaram, passearam, lembraram a vida, falaram do passado distante, e ela voltou pra casa. 
Outros encontros vieram, e ela com 82 anos e ele com 85 resolveram se casar. 
Isso aconteceu ano passado, e eu torço para que eles tenham ainda muita vida pela frente. Que Deus abençoe essa mulher que esperou o seu amor, que não desistiu nunca, porque sabia que só os fracos desistem antes da hora, os fortes, os que amam, não fraquejam. Hoje quando a vejo eu noto o brilho dos seus olhos, eles falam de futuro. De felicidade. Feliz dia dos Namorados.



terça-feira, 7 de junho de 2011

Vento na vidraça, amor despedaçado.
Vento no moinho, amor com sabor de vinho.
Um cantinho pra sonhar, um licor e um luar.
Peças de um quebra cabeça perdido.
Quem ousa montar?
Cada uma das peças tem um encaixe perfeito,
que nem eu no seu peito.
Quando conseguirmos montar, olharemos para a foto
perfeita, e pensaremos que nossos dias, foram tão cheios de sol!
Que tudo em volta de nós brilhava, que tinha côncavo e convexo.
Era tudo tão lindo e de repente ficou meio sem nexo.
Nos perdemos no caminho que vai além do sexo.
E não teve como voltar.
Quisera eu, parte desse quebra cabeça, pequena peça nesse mar de mundo,
olhar agora no seu olhar profundo e dizer que você foi o que de melhor existiu pra mim.



domingo, 5 de junho de 2011

Assim como no princípio...

vai ficar pra todo sempre amém.
Eu em você e você em mim. As estrelas no céu mudando de posição,
o mundo girando, e nós aqui no mesmo lugar.
De mim fica a vontade de ficar junto, a falta de ter, a vontade de querer.
De você fica o cheiro, o calor, a saudade.
O tempo que durou foi eterno, assim como ele sempre é, quando pra nós é especial.
As estrelas que testemunharam nosso encontro, a chuva, os nossos passos, todos se calarão.
Só meu peito ainda gritará, na vaga esperança de você me ouvir.
Nossos caminhos tortuosos talvez não se cruzem novamente, ou se cruzarem, talvez uma não note a presença da outra. 
Dá um nó na garganta... Porque era tanto amor, tanta paixão... Aonde foi que nos perdemos? 
Quem nos dera voltar no tempo e consertar nossos erros, aquela palavra que não foi bem dita. Maldita seja. 
Aquele orgulho tolo, aquele nó que não desamarramos; quem dera poder voltar e desatar. 
Alias desatar os nos é o que todo ser humano que ama, deve fazer o quanto antes possível, porque nenhum relacionamento vai a frente carregando-o. 
Grite, berre, não se cale nunca... 
Porque a dor que tu vai sentir, é muito maior do que o aborrecimento de uma discussão simples. 
Queria estar ali novamente, sentindo aquele calor, o abraço firme e sincero. 
Mas aqui estou sozinha novamente e o mundo girando, esperando que eu diga o que eu quero para ele poder conspirar a meu favor. 
Indecisão define meu espírito hoje. 

quinta-feira, 2 de junho de 2011

O vento traz o cheiro do perfume dela. 
Vendo fotos do passado me perdi no presente.
Que inferno! Porque a gente não esquece quem já esqueceu da gente?
Lembrei de momentos importantes, e me perguntei: Foi tudo real ou sonhei?
Quisera morrer agora do que sofrer os horrores das noites sombrias onde eu te querias. 
Mas tu se afastando sorrindo, não via que o meu coração estava partindo. 
Ou se via,  não fazia diferença enquanto a imagem se dissolvia, tu sorria, e ria e ria. 
O medo da noite chegando, se fez presente. Eu receava respirar, porque até esse simples gesto doía.
Um luto enorme se fechou sobre mim. Meus olhos sem brilho, meu mundo escolhido, todo partido.
E no vago clarão que vislumbrei, eu vi você numa nuvem, quase etérea... 
Tentava te segurar, mas tu me escapavas, era como um sonho ruim... Mas era real. E isso me impressionava. 
Eu me afogava em lágrimas, eu me retorcia em meio aquela dor...
Tentava me agarrar à lembranças, à pequenas coisas que me trouxessem para perto de você, mas ao mesmo tempo tentava te soltar, pra poder viver.
Foi um tempo de escolha, esquecer para viver, ou morrer lembrando. 
A decisão eu tomei depois de longos anos. Foi dura e difícil. Mas eu te apaguei, consegui enxergar teu egoísmo e o meu egocentrismo foi implacável. Onde eu estava que não pensei em mim? Em qual lugar do espaço? Perdida entre galáxias...Entre células e átomos... 
Nem a física foi capaz de dizer que amor foi esse...

sábado, 28 de maio de 2011

Então... “Follow the White Rabbit”

Sempre comentei com amigos a respeito do blog, toda vez que leio os blogs alheios, me vem idéias legais pra o meu. 
Aí encontrei o blog de uma amiga, e comecei a ler. Entre um post dramático e outro, como não poderia deixar de ser.  Acabei achando alguns com a minha cara. 
Alguém lutando pra se reerguer, lutando pra esquecer, querendo acordar, querendo coisas que não sabe o que; e eu pensei: Estou entrando no mundo de Alice." É tarde, é tarde, tão tarde até que arde, ai ai meu deus, alô, adeus, é tarde, é tarde, é tarde." Essa era a fala do coelho branco.
E Alice cansada de ler, resolveu participar da história, porque ficar sonhando e não realizar é chato pacas. 
Mas ela escolhe correr atrás do coelho e acaba vivendo uma aventura não muito boa. Já que o dito cujo é empregado da rainha louca, e ela corta a cabeça dos indesejados. 
Poderia ter corrido atrás do príncipe ou continuar colada no seu gatinho, mas não, Alice foi atrás do coelho branco. Encontra o chapeleiro maluco, flores que tomam chá, e rosas brancas que são pintadas de vermelho. Mas não encontra o que realmente buscava. Aliás não sabemos realmente o que ela queria, e muitas vezes não sabemos também o que nós queremos. 
Coelhos brancos, são lindos, inteligentes, uns fofos, mas eles também mordem, e deixam marcas. 
É tarde...
Na vida, muitas vezes estamos correndo atrás de coisas que não são para nós, achamos que elas nos trarão felicidade... São como o Mestre Gato, com o seu sorriso misterioso, que no final acabou enganando a pobre Alice. É tão difícil saber separar o certo do errado, o sonho da realidade, o vinho da água... 
Seguir o coelho branco é para quem é forte. Ele nos leva para o desconhecido, e se você não quer se aventurar, tem que ficar  longe dele. 
Agora se você acha que não vai se machucar ou não tem medo da dor. Tem sempre um esperando você, se jogue! Um dia acabamos aprendendo a lidar com nossos sentimentos. Mas não sem antes sofrer um bocado. 


Não se iluda, ele morde...



Arquivo do blog